Polícia Civil investiga fraude à licitação de iluminação pública em Almirante Tamandaré

Foto: PCPR

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) deflagrou na manhã desta terça-feira (8), uma operação que investiga associação criminosa envolvida em fraude à licitação na iluminação pública, no município de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba.

Ao todo, 26 policiais civis e 8 peritos criminais participam da ação. Eles cumprem simultaneamente nove mandados de busca e apreensão em Curitiba (1), Itaperuçu (1), Rio Branco do Sul (2) e Almirante Tamandaré (5).

As buscas estão sendo realizadas nas sedes das empresas investigadas, nas residências dos envolvidos e em um escritório de advocacia.

A investigação foi iniciada em função de um inquérito civil que apura irregularidades na prestação de serviços de empresa contratada para fazer a  manutenção da iluminação pública naquele município. 

As informações preliminares foram encaminhadas à PCPR, que instaurou inquérito policial. Com as investigações, foi descoberto que um grupo de empresas teria atuado para aumentar o valor de licitação e ter facilitada a vitória no processo.
 
A empresa ganhadora recebeu mais de R$ 7 milhões dos cofres públicos do município de Almirante Tamandaré. Somados o contrato inicial e todos os aditivos, foi constatado um aumento de mais de 70% do valor inicialmente contratado. Isso é muito superior ao limite de 25% em aditivos contratuais, definidos pela Lei de Licitações.

Durante as investigações alguns fatos chamaram a atenção, como a condição financeira dos sócios, incompatível com o suposto lucro da empresa, bem como o exponencial aumento do capital social em cerca de 300 vezes, passou de R$ 20 mil para R$ 6 milhões.

De acordo com delegado Leandro Farnese, responsável pelas investigações, durante a apuração foram confirmadas ainda outras irregularidades. “A gente conseguiu confirmar também a discussão sobre nomeação de cargos públicos, de forma ilícita, indevida. E também a negociação para futuras licitações, com elaboração de termo de referência direcionados para poder facilitar que o grupo vencesse as licitações futuras em outros locais”, explica.

O objetivo da operação é encontrar provas em documentos, e em celulares dos investigados, que confirme as atividades ilícitas do grupo.

Colaboração Assessoria PCPR

Comentários

%d blogueiros gostam disto: