Sorria, brasileiro, nossos surfistas favoritos estão de volta!

Coloque sua bandeira na janela, vista sua camisa da seleção (sem cunho político, por favor), assopre sua vuvuzela (isso ainda existe?), chegou o momento tão aguardado: a WSL vai começar!

Foto: Site Oficial WSL / KELLY CESTARI

Para os menos familiarizados, WSL é a sigla para World Surf League (Liga Mundial de Surfe). E caso você esteja se perguntando o por quê da minha animação, eu devolvo com uma pergunta: em que diabos de mundo você vive??. Afinal, podemos dizer sem exageros que atualmente o Brasil é o país do surfe. E para quem contestar minha afirmação, espere, tenho bons argumentos. Nunca fomos o país no qual mais se ama futebol. No entanto,  sentimos uma espécie de orgulho quando somos chamados de o País do Futebol. E só ficamos assim conhecidos porque sempre tivemos os melhores jogadores de futebol.

Contudo, como você bem deve saber, caro leitor, já não somos mais esse país também. A última vez que um brasileiro foi nomeado o melhor jogador do mundo foi no longínquo ano de 2007. Quando o lindíssimo Kaká, após uma temporada fantástica no Milan, foi agraciado com o prêmio. Bom lembrar que o feito do bonitão das quatro linhas ocorreu cinco anos após o último título da seleção brasileira em uma Copa do Mundo. (Baita argumento, não?!)

O surfe, como se sabe, ou como pelo menos espero que você saiba, é competido de forma individual – o que torna ainda mais legal torcer para os tantos (onze!!) brasileiros presentes na elite do esporte, o circuito mundial. E nós dominamos esse circuito, galera. Para o desespero de Australianos e Americanos, nos últimos seis anos três brasileiros terminaram a temporada com o título da WSL. Gabriel Medina duas vezes (2014 e 2018), Adriano de Souza, o “Mineirinho” (2015) e Ítalo Ferreira (atual campeão). 

E se tudo ocorrer dentro da normalidade – sei que nada é normal atualmente, mas no surfe tudo vai dar certo!! – as chances de um brasileiro terminar a temporada de 2021 como o melhor surfista do mundo são bastante consideráveis. A única verdadeira ameaça deve ser havaiano Bicampeão John John Florence (o nome dele é assim mesmo. 2x John. Incrível, não? Fica a dica para nomes de futuros filhos).

Além dos já campeões mundiais Medina e Ítalo – Adriano de Souza está voltando de lesão esse ano e se encontra em final de carreira, não aparece como favorito ao título, apesar que duvidar de Mineirinho talvez não seja uma grande ideia -, Filipe Toledo é outro brasileiro com possibilidade reais de atingir o topo do surfe mundial.

Se você assim como eu não tem vontade alguma de assistir os comandados do insuportável Adenor e quer direcionar seu patriotismo esportivo para outro esporte, vai comigo, o surfe é a melhor opção.

Além dos atletas já mencionados, outros brasileiros que estarão presente no circuito mundial esse ano são: Jadson André, Miguel Pupo, Yago Dora, Deivid Silva, Caio Ibelli, Alex Ribeiro e o paranaense e COXA-BRANCA (fator que já torna o caráter de qualquer um incontestável) o incrível Peterson Crisanto! Vai, Urso! 

Como passamos por um ano todo cagado como foi este de 2020, a primeira etapa da WSL será realizada em Pipeline, no Hawaii. Praia que tradicionalmente encerra o circuito mundial de surfe, desta vez, estará dando início a uma das ligas esportivas mais legais e emocionantes de se acompanhar (juro que não estou exagerando). 

A competição está marcada para começar nesta quarta-feira, 9 dezembro, sem horário definido. Porque esta é outra maravilha do surfe. O mar nem sempre obedece às ordens dos organizadores, então nunca sabemos exatamente quando os eventos da WSL irão começar ou acabar. Terei que ser honesto aqui, muitas vezes essa espera pelo swell (não me peça para explicar o que é swell) pode ser bastante angustiante. Então desconsiderar o “outra maravilha do surfe”. 

Enfim, se a propaganda foi falha a culpa é 100% deste que vos escreve. Que, ao tentar ser engraçadão, não soube promover, neste breve texto, este magnífico esporte de maneira adequada. 

Assista o circuito mundial de surfe. Você não precisa entender nada do esporte – minha experiência prática com o surf estão relacionadas com as tentativas de “pegar um jacarézinho” quando criança e nada mais. 

O que eu quero dizer é que, se assim como eu, você é um apaixonado por esportes, a partir do momento que você começar a acompanhar a WSL e os surfistas brasileiros, assim como um peixe você será fisgado (só que desta vez de volta para o mar) para dentro deste incrível mundo de batidas, rasgadas, aéreos e tubos. 

Jesus, essa parte do peixe fisgado ficou muito ruim.

Enfim, assista a Liga Mundial de Surfe!

Todas as etapas são transmitidas pelos canais ESPN. Onde você encontrará uma equipe infinitas vezes mais capacitadas que este blogueiro para lhe ensinar o que você precisa aprender sobre o esporte.

Caso você não seja um assinante do canal, você pode assistir os eventos pelo site oficial da WSL, assim como pelo seu App.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: