Comer bem é cringe?

Por: Patrícia da Paz

E vamos lá, nada melhor que entrar em uma “treta gastronômica” para elevar a conversa. Nestes últimos dias a palavra cringe, que da sua origem significa vergonhoso, recebeu muita atenção da mídia em  textos, matérias, e demais debates nas redes sociais, entre ataques e defesas, definindo as pessoas nascidas entre início da década de 80 e final de 90, vem a minha pergunta que se depara com o fato de observar o comportamento alimentar da geração em questão, comer bem é cringe?

Como minhas primeiras lembranças alimentares vieram da década de 80, passei por várias fases da “passarela alimentar” e no entra e sai da moda, hoje em dia, vejo o resgate de velhos hábitos, como plantar e colher, o surgimento pequenas hortas se formam em quintais, corredores e sacadas, pais e mães buscam formas saudáveis para seus pequenos terem uma alimentação funcional na primeira idade alimentar, mesmo em uma rotina inconstante. Crianças aprendem nas escolas o valor das plantas, professores ensinam a percepção, a colheita, as texturas e sabores da natureza. Ah, sim, fora da massa industrial, ter alimentos verdadeiramente saudáveis parece uma utopia, mas, não é não…Estamos aprendendo a reconhecer e descobri nossos corpos, e do que ele precisa, perceber a necessidade entre uma refeição e outra, não ficar preso a demanda de comer a cada três horas, substituição de alimentos, muitas possibilidades de nutrientes, onde a carne deixa de ser a principal fonte de proteína. O fato é que, temos muitas possibilidades, entre millennials e criges de aprender, resgatar, descobrir, partilhar. Comer é sempre um assunto polêmico, pois ironicamente em algumas situações, divide mais que agrega opiniões, valores e ações. Fora a questão certo ou errado, acho importante salientar que sempre acabo voltado ao ponto de que comer é um autocuidado, e podemos ter muitos altos através dela, conhecimento, responsabilidade, aprendizado e muitas possiblidades em ter experiências além da cozinha. Se foi dito que café da manhã é fora de moda, posso me considerar uma pessoa brega neste quesito, pois adoro um bom café da manhã, e neste caso, café puro e pão com manteiga é para mim um banquete.

Mas, o que trago de reflexão, independente do fato ou discussões comportamentais a parte, é que alimentação é sobre solidariedade, conhecimento, cultura, educação, comprometimento, compaixão, vai além de moda, mania e status, o tema alimentação é sobre, viver!  E viver a Vida com saúde.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: