Entenda tudo que está envolvido na mudança dos seus hábitos com o dinheiro

Quando meus filhotes tinham cerca de 15 anos, eu percebia cada um praticando os princípios da educação financeira, eles faziam ao menos reservas financeiras para objetivos de curto prazo. E quando eu tinha 15 anos, ninguém falava sobre educação financeira: na família, na TV, no ensino fundamental ou no ensino médio.

Em 2021, após os impactos financeiros da pandemia do vírus COVID-19, tanto os microempreendimentos quanto as instituições de ensino ou grandes corporações, perceberam a necessidade de estimular o planejamento financeiro como novo hábito saudável para a organização e para os participantes das equipes de trabalho.

Penso que agora a mudança de hábitos financeiros e a capacidade de construir reservas financeiras têm significado para as pessoas, sempre com objetivos em mente.

Na desafiadora realidade das famílias brasileiras, com a inadimplência e endividamento elevados, o desemprego ou a redução da renda geram situações em que as necessidades básicas são supridas em parte, pela sociedade: entidades associativas, ONGs, projetos sociais, projetos religiosos, familiares e outras entidades.

Nos sites e redes sociais das Instituições Financeiras estão disponíveis informações básicas de cuidados com as finanças para trabalhadores, famílias e empreendedores. Além do que, está aprovada a educação financeira como conteúdo transversal nas escolas, através de normas da BNCC – Base Nacional Comum Curricular.

Do meu ponto de vista, ainda faltam para jovens estudantes, trabalhadores e empreendedores a autorresponsabilidade de assumir o autocuidado com sua vida financeira.

Por isso, lembre-se que informação e conhecimento são uma pequena parte do processo de mudanças nos comportamentos financeiros.  Cada pessoa precisa incluir nos hábitos financeiros: escolhas conscientes e opções realistas para viabilizar o equilíbrio.

Acontece como mágica? Ainda não, que eu saiba.

Sempre digo que a educação financeira é um processo, estimulado de fora pra dentro e vice-versa, com propósito e constância.

É possível mudar a atual situação da maioria da população endividada?

Penso que sim, com projetos e decisões pessoais, estímulo de empresas e legislações que gerem corresponsabilidade entre instituições financeiras, instituições de ensino e consumidores desses serviços.

Então, mãos à obra! Para que a mudança de hábitos financeiros nos próximos 15 anos seja uma realidade social no país.

Para ficar mais fácil, coloque em prática novos hábitos:

  • Pense e defina os seus objetivos;
  • Seja realista e reduza o endividamento;
  • Gerar renda constante pode ser sua ação imediata;
  • Reserve de 20% a 30% para seus objetivos.

Lembra que a vida é feita de ciclos?

A Primavera está perto e nos ensina que a renovação é possível!

Foto: Arquivo Pessoal

Comentários

%d blogueiros gostam disto: