COLUNA DO MEIO

COLUNA DO MEIO

Por Otávio Costa

Uma família de fato e de direito

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Foto: Instagram Toni Reis/Reprodução

No dia dos pais deste ano houve o lançamento do livro “Família Harrad Reis: uma família de todas as cores e todos os amores” escrito pelos militantes históricos Toni Reis e David Harrad e pelos seus três filhos. 

Composto por onze capítulos e um epílogo, o livro aborda os diferentes aspectos de uma família homoafetiva, como a construção do relacionamento do casal e dos pais com os filhos. Contudo, a singularidade e a beleza desse relato não está apenas nos desafios e alegrias familiares, mas sobretudo na militância e nos percalços que o Toni e o David encontraram em suas trajetórias pessoais e políticas. 

Conforme consta no texto de apresentação “esta pequena história não tem como objetivo proporcionar um modelo de família homoafetiva, apenas dar exemplos para que as pessoas possam entender e respeitar cada vez mais as famílias que não se enquadram no modelo tradicional.” O aspecto político permeia todo o texto, desde o relato do desejo de adotar até as dificuldades encontradas pelo casal para consolidar esse sonho em um momento em que o Estado não reconhecia a união de casais do mesmo sexo e, portanto, não possibilitava direitos a pessoas LGBTI+ como a adoção. 

É possível afirmar que o livro é dividido em duas partes principais, sendo a primeira parte uma versão de outro livro dos autores “Direito de amar: a história de um casal gay” escrito em 1995 – ano em que eu nasci – que vai abordar aspectos dos pais, a maneira como se conheceram e como ocorreu a relação entre os dois. Já a segunda parte é sobre o processo de adoção dos três filhos e a construção de sua família. 

Eu li o primeiro livro na época em que estava na graduação, antes de trabalhar no Grupo Dignidade, logo antes de conhecer o casal. Me recordo que foi uma leitura rápida, mas que trouxe uma série de reflexões para aquele momento da minha vida. Enquanto um jovem gay estava passando por algumas questões que envolviam a minha sexualidade como o ato de assumir a homossexualidade para familiares, contudo alguns dos meus direitos já estavam assegurados como a união estável e a adoção. 

Um livro que foi escrito a duas décadas antes relatava um contexto completamente diferente do que eu estava vivendo, conforme os autores relatam a homossexualidade era pouco discutida no Brasil e não se reconhecia oficialmente casais homoafetivos. 

Ler essa parte do livro agora, após alguns anos e já participar do movimento LGBTI+ e do Grupo Dignidade a cinco anos trouxe outra visão. Acontece que eu conheço o casal, aprendi muito com eles esses anos todos e retomar esse texto foi um momento de muita alegria – e até certa curiosidade. Lembro que no período no qual estava fazendo a leitura li trechos junto com o Lucas Siqueira, diretor geral da ONG, conversei com o David sobre o seu período de educação básica na Inglaterra, perguntei ao Toni sobre seus irmãos, falei com a Jéssica, filha do casal, sobre sua infância no Rio de Janeiro. 

Aos leitores interessados, nesta primeira parte os autores relatam suas infâncias e o processo de entendimento da homossexualidade. Esse elemento é comum nas duas histórias de vida, o fato de serem gays trouxe diversos conflitos pessoais na adolescência e começo da vida adulta. 

Mas o momento mais bonito é quando eles se conhecem em uma estação de metrô em Londres. Os autores relatam o anseio que esse encontro causou, a ansiedade de se verem novamente e as barreiras que o contexto social da época trouxe para o desenvolvimento da relação. 

Ao término de seu capítulo biográfico Toni Reis relata sua experiência em Londres, os trabalhos que estava desenvolvendo como garçom e entregador de jornal, assim como a dificuldade com o estudo da língua inglesa. Contudo, o que marcou essa viagem, não nos resta dúvida, foi conhecer David Harrad. Nesse momento Toni relata o seguinte: “Foi então que encontrei meu grande amor.” 

Na segunda parte do livro os autores abordam o processo de adoção que diferente como ocorre hoje foi necessário a judicialização do caso. A adoção não era um direito, foi preciso entrar com processos e aguardar a decisão de juízes para que a família pudesse se concretizar – repare que utilizei juízes no plural, uma vez que não foi na primeira tentativa que conseguiram realizar o sonho da paternidade. 

Sobre esse momento da leitura fiquei impactado sobre a questão da adoção tardia. É muito comum hoje pessoas LGBTI+ expressarem seus desejos de adotar crianças, mas pouco se sabe acerca das dificuldades de adaptação e desenvolvimento da rotina familiar. 

Percebo hoje, a partir da leitura do livro, que existe uma romantização da adoção. Quantos desses jovens LGBTI+ hoje estão preparados para a adoção? Se ainda não estão, como fazem, se fazem, para se preparar?

“Muita felicidade e realização. Tudo o que queremos. Tem mais preocupações e menos depressões irreais. Temos que dar limites e temos que ouvir. Saímos de uma bolha individualista para entrar num mundo coletivo de pessoas e animais. Que viva a família de todas as cores e todos os amores. Que viva a família de fato e de direito.

Entre perdas e ganhos, entre orgulho e arrependimento, sobrou amor e realização. Valeu a pena. Muitas emoções, pouquíssimas decepções e muito, muito entusiasmo de escolher o que somos e fazemos. 

Quando pensamos em adotar, pensamos que íamos “arrumar pra cabeça”, mas é muito melhor tê-los do que não tê-los.” 

A mensagem final do livro acaba demonstrando que mesmo a adoção tardia ser um processo que pode ocasionar dificuldades e percalços a alegria que uma família proporciona, os momentos com os seus e o amor que nasce e se desenvolve é capaz de possibilitar imensos aprendizados. 

O livro Família Harrad Reis emociona, faz rir, cativa e traz uma reflexão necessária para todos nós que é a luta por direitos. A leitura é mais que recomendada, é fundamental para nossa humanização. E sim, que viva a família Harrad Reis! 

APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE!

Um minuto, por favor… Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras, os ataques às instituições e produzir conteúdo de qualidade custa tempo e dinheiro. Se você gostou desse material e acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, com a quantia que puder. Faça uma doação!
%d blogueiros gostam disto: